Vale a pena construir um salão de beleza no Brasil?

Vale a pena construir um salão de beleza no Brasil?

Construir um salão de beleza no Brasil pode ser mais difícil do que parece. Existem inúmeras questões legais que o empreendimento deve seguir, isso sem mencionar a concorrência e outros fatores que também colocam em risco a “saúde” do negócio.

Apesar das dificuldades, a abertura de um salão pode ajudar você a conquistar sua independência financeira, desde que todos os serviços prestados sejam realizados da forma correta e que a gestão seja capaz de suprir as principais demandas e resolver as principais dificuldades encontradas no mercado atual.

Mais abaixo, nós falaremos tudo o que você precisa saber antes de iniciar sua empreitada nesse ramo. Esperamos que esse texto seja de grande valia para todos que desejam iniciar sua carreira empreendedora no setor da beleza!

Pronto(a) para saber mais sobre o assunto? Então segue a leitura comigo!

Um breve panorama do mercado atual

De 2012 a 2016 o número de salões de beleza no Brasil quadruplicou. Nós fomos de 155 mil estabelecimentos para quase 600 mil salões em um período de 4 anos. Em 2018, o setor movimentou mais de 3,6 bilhões de reais— uma marca impressionante e que chama atenção de investidores ao redor do mundo.

Mesmo em tempos de crise, esse mercado continua despontando como uma das maiores promessas de negócio do país e as perspectivas para o futuro ainda são favoráveis para quem está ingressando no ramo.

Todavia, estes números impressionantes também demonstram que a concorrência está cada vez maior.

Com maior quantidade de estabelecimentos, existem dois fatores que devem ser levados em consideração: o primeiro é que há uma demanda crescente para mão-de-obra qualificada e o segundo é que está sensivelmente mais difícil conquistar espaço com um novo negócio.

A clientela está cada vez mais exigente! Como se tudo isso ainda não bastasse, o número de requisitos burocráticos para manter o empreendimento funcionando aumentaram.

Tudo isso faz parte do processo de maturação de um setor que há muitos anos vem despontando nas pesquisas como um dos mais rentáveis. Com isso as exigências passam a crescer conforme o aumento de sua popularidade e movimentação financeira.

Dessa forma, é preciso que os futuros empreendedores saibam que, apesar do crescimento e das oportunidades, há uma importante necessidade de profissionalização e atualização.

Muitos salões ainda carecem de uma boa gestão e de estratégias de marketing – o que soa como oportunidades de crescimento para aqueles que estão atentos às necessidades do mercado.

Uma pesquisa realizada pelo SEBRAE há alguns anos apontou que em São Paulo cerca de 70% dos empreendimentos pesquisados não possuem contrato com os profissionais que atuam no salão. Isso quer dizer que a maioria das cabeleireiras atuam de maneira autônoma, sendo remunerada principalmente pelo serviço que é realizado.

Apesar dessa estratégia ter funcionado até aqui, devemos ressaltar que com o aumento da demanda por esses (a) profissionais, é preciso fornecer estabilidade e novas alternativas para aumentar a retenção dos colaboradores – afinal, como formar a melhor equipe se você não é capaz de mantê-los consigo ou atrair os melhores?

Processos mais complexos de seleção devem ser instaurados entre uma série de outras medidas para aumentar a qualidade do atendimento e da equipe, que cada vez mais é exigida no cotidiano.

Portanto, fica a critério do(a) futuro(a) empresário(a) entender e respeitar os novos requisitos que estão sendo aplicados no presente. O mercado ainda apresenta muito espaço para inovação e certamente os ganhos podem ultrapassar até as expectativas mais otimistas, como já aconteceu no passado.

Agora que nós tempos uma ideia geral do mercado atual, falaremos mais a respeito sobre alguns desses desafios que mencionamos brevemente acima.

Vamos em frente!

Clientela mais exigente e a alta necessidade de profissionalização

Como abordamos de maneira breve, a clientela está cada vez mais exigente: qualquer serviço que deixe a desejar é uma razão para perder um cliente fiel ou até mesmo para ter o seu nome “sujo na praça”.

Basta um post mal explicado em uma rede social e o seu salão pode passar por um sério risco de sofrer boicotes. E como cada vez mais o público-alvo desse mercado está conectado, seu atendimento deve estar perfeitamente qualificado para responder à altura!

Inclusive, as redes sociais fazem parte de alguns dos fatores que ajudaram a transformar o mercado da beleza. Maquiagens cada vez mais complexas, cortes cada vez mais minimalistas e elegantes e uma alta demanda para acompanhar o ritmo da moda, são alguns dos pontos que ajudaram a aumentar o fluxo e a exigência da clientela.

Com isso, surge a necessidade real de profissionalização. O tempo em que pequenos estabelecimentos conseguiam permanecer abertos com pouca qualificação está acabando. Certamente, o mercado passará por uma grande transformação tecnológica dentro de alguns anos.

Não se esqueça que com o aumento da concorrência se tornou vital aumentar a qualidade do serviço — inclusive, se tornar referência para alguns serviços pode ser sua melhor alternativa para alcançar o sonhado posicionamento de mercado.

Bons salões apresentam um tíquete médio maior justamente nos serviços em que eles decidiram se especializar – o que consequentemente aumenta o faturamento do estabelecimento. Não só isso, mas o reconhecimento pelo público tende a aumentar quando você se posiciona como autoridade em determinado assunto. Por isso, pare e pense: no que você pode se especializar e oferecer melhor do que os outros? São os seus tratamentos nos cabelos cacheados? É como você apara as barbas? Onde você pode oferecer sua expertise e ser autoridade no mercado?

Vencer somente no preço hoje não é opção e dado o aumento da experiência do cliente ficou muito difícil encantá-lo! Existem milhares de salões que não resistem à concorrência por falta de planejamento e de profissionalização, e recomendamos fortemente que você não caia nessa armadilha. Saiba como se diferenciar de seus concorrentes e dar um atendimento “WOW” aos seus clientes!

Apesar da concorrência ser um fator importante na hora da abertura do seu negócio, tenha em mente que muitos salões sequer completam dois anos de existência — e um dos principais motivos para a falência é a falta de profissionalização dos funcionários.

Inclusive, foi a falta de profissionalismo que gerou alguns dos maiores problemas que o setor passa atualmente, como a constante fiscalização da vigilância sanitária e algumas regras impostas pela ANVISA para a abertura de salões.

O aumento de fiscalização sanitária e a necessidade de se enquadrar nos novos padrões

É muito comum observarmos salões de beleza que também realizam o serviço de manicure. Inclusive, quase sempre esses serviços são fornecidos em conjunto com um corte de cabelo ou algum tratamento facial.

Entretanto, foi justamente a popularidade que começou a atrair os olhares de alguns dos principais órgãos de fiscalização do Brasil: a ANVISA. A maioria dos serviços de manicure (e/ou pedicure) eram realizados por profissionais que não eram qualificados e não havia nenhum tipo de higienização ou de cuidados especiais com os instrumentos que eram utilizados nos procedimentos. O resultado? A proliferação de doenças como hepatite B e C em várias localidades.

Em 2009 no estado de São Paulo uma pesquisa apontou que cerca de um em cada dez salões de beleza continham a prevalência dos vírus causadores das doenças citadas — um número alarmante que despertou o interesse das autoridades e de parte da nação.

Obviamente, todo o quadro fez com que a fiscalização aumentasse consideravelmente. Não só para o serviço de manicure ou pedicure como para todos os outros serviços que são realizados em um salão de beleza — os novos padrões deixaram de ser “luxo” e se tornaram obrigação para os empreendimentos.

Até hoje, muitas mulheres são alertadas sobre a necessidade de levar seus próprios materiais. O Ministério da Saúde tomou ações mais enérgicas para poder diminuir a proliferação da doença e uma série de repercussões tomaram conta da mídia e de outros materiais informativos que são apresentados para a população de alguns locais.

O fornecimento de materiais descartáveis hoje é uma das “normas” para quem deseja ter um bom fluxo de clientes. A utilização de luvas e a apresentação de uma área especializada para esterilização de alguns materiais também deve ser apresentada para eliminar as chances de contaminação e de riscos para a clientela.

As normas da ANVISA e os “pesadelos” burocráticos

As “novas” normas da ANVISA devem ser seguidas à risca. E os cuidados e a utilização de materiais adequados são imprescindíveis — a quebra de uma das normas do órgão pode resultar em multa e/ou fechamento do estabelecimento.

Materiais adequados (que não apresentam alto grau de nocividade para a saúde de um indivíduo) são outro ponto de destaque: a adição de formol ou de qualquer outra substância em produtos que estão sujeitos à vigilância sanitária, por exemplo, não só é considerada uma infração como é um crime hediondo pela legislação brasileira.

A Organização Mundial da Saúde considera o formol como uma substância cancerígena e com potencial de fatalidade. Inclusive, essa é outra “marca” da falta da profissionalização e de preparo por grande parte do mercado que insiste em utilizar técnicas rudimentares e perigosas para a saúde e bem-estar dos clientes.

Muitos não sabem, mas todos os serviços devem estar de acordo com a fiscalização sanitária. E para quem deseja ter um estabelecimento seguro, se enquadrar nos novos padrões é uma prioridade.

Inclusive, essa fiscalização mais excessiva é o que transforma a abertura de um desses estabelecimentos em um verdadeiro “pesadelo” burocrático em algumas ocasiões.

Todos os produtos utilizados no salão devem estar registrados na ANVISA (shampoos, esmaltes, maquiagens, cremes, tinturas e toda a longa lista de materiais fazem parte dessa lista — o que pode colocar em risco a utilização de produtos importados que ainda não tiveram seu aval pelo órgão público).

A licença sanitária — que só é fornecida após vistoria — é necessária para o início das operações, e todos os requisitos devem ser atendidos com excelência. Alguns desses requisitos incluem:

– Local próprio para lavagem de material;

– Local limpo com circulação de ar e ventilação;

– Toalhas limpas (que devem ser lavadas após cada uso);

– Cadeiras, colchões e outros equipamentos devem estar revestidos de materiais impermeáveis (e em bom estado de conservação);

– Ter instalação completamente independente de uma residência — esteja ela seguindo esses requisitos acima ou não;

Essa é apenas parte da longa lista das normas da Anvisa que podem variar de Estado para Estado.

No Rio de Janeiro, por exemplo, há necessidade de se ter um responsável técnico por cada serviço realizado no estabelecimento. Esse funcionário responde não só pelos serviços prestados como também pelos produtos fornecidos e utilizados dentro do salão de beleza.

Mas as questões burocráticas não param nas regulamentações da ANVISA!

Você também precisa ajuda de um contador hábil para realizar (ou auxiliar) todos os processos iniciais, que vão desde o contrato de locação do imóvel — que define e certifica o tipo de estabelecimento que será aberto, que normalmente cai na categoria de prestação de serviços – até o processo da abertura de sua empresa.

Em seguida, será criado um contrato social, será realizado o registro desse contrato, e somente após essas etapas é que serão realizados o registro na secretaria da Receita Federal, na Secretaria Estadual da Fazenda, na Prefeitura Municipal e no Sindicato Patronal.

Tudo isso leva algum tempo — alguns meses, para ser mais exato — e mais uma vez existem variações de Estado para Estado, por isso fique alerta e busque sempre a ajuda de um contador especializado.

Não podemos esquecer também que o alvará de funcionamento é expedido pela Prefeitura do seu Município e que sem esse documento é ilegal iniciar suas atividades.

Assim como toda empresa no Brasil, o início é um pouco complicado e dificultoso para quem nunca teve uma experiência empreendedora, mas nós da ONE Beleza estamos aqui para te auxiliar com todos os seus processos.

Custo do investimento inicial e algumas considerações finais

Agora que você conhece um pouco mais sobre as questões de fiscalização e alguns dos aspectos burocráticos gerais da abertura de uma empresa no Brasil, chegou a hora de falarmos mais a respeito do custo do investimento inicial.

De acordo com pesquisas do SEBRAE, um valor “mínimo” adequado para abertura de um salão de beleza pequeno fica em torno dos 50 mil reais. Isso inclui todo o investimento com equipamentos, capital de giro e despesas pré-operacionais — aquelas que acontecem antes mesmo da abertura do negócio.

Para estabelecimentos de médio porte, o custo inicial pode chegar a uma média de 85 mil reais.

Obviamente, esses valores devem ser planejados e devem estar de acordo com seu plano de negócios. A ajuda de um profissional de administração ou até mesmo de um contador é importante antes de iniciar suas operações.

Esses valores incluem tudo aquilo que é de mais importante para um bom salão funcionar. Certamente, cortes podem ser realizados para que seja atingido uma realidade mais próxima do empreendedor que ainda não apresenta esse capital para fundar seu negócio.

Existem poucos incentivos para a abertura de salões de beleza. Algumas das alternativas mais básicas incluem a tentativa de um empréstimo pelo BNDES, que conta com baixos juros ao mês. O microcrédito chega até 20 mil reais e pode ser utilizado para a compra de equipamentos entre outras questões importantes.

Não podemos mentir: sem o levantamento da verba necessária você pode encontrar grande dificuldade para manter o seu negócio funcionando no mercado atual. No entanto, este não é um jogo de cartas marcadas e o sucesso do seu negócio depende mais de uma boa gestão do que do seu capital inicial.

No entanto, preste bastante atenção às exigências burocráticas! Qualquer processo errado ou não respeitado pode resultar no prejuízo de milhares de reais em multas para o empreendedor — o que certamente não é o desejo de ninguém que deseja iniciar uma jornada de sucesso no mundo dos negócios.

Apesar de todas as dificuldades, informamos que o sucesso é possível e inclusive viável, se as medidas necessárias forem tomadas antes da abertura do seu estabelecimento.

Com um mercado em crescimento e com um bom potencial de alta rentabilidade, ingressar no mercado da beleza pode ser lucrativo e muito vantajoso para aqueles que possuem afinidade no setor e estão dispostos a realizar um excelente trabalho.

Esse foi o nosso post de hoje sobre se vale a pena ou não construir um salão de beleza no Brasil! Gostou do conteúdo? Conta um pouco sobre sua experiência aí para a gente! O que te impede hoje de começar seu negócio?

One Beleza & Bem Estar

The author didn't add any Information to his profile yet.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked. *
WhatsApp chat